REUSO DE ÁGUA DO AR-CONDICIONADO VIRA LEI EM PERNAMBUCO

De autoria do deputado estadual Isaltino Nascimento, a lei obriga novos estabelecimentos privados de grande porte a reaproveitarem a água desperdiçada, sem que seja cobrada taxas ou tarifas pelo reuso

O reuso da água do ar-condicionado em estabelecimentos privados como shoppings, hospitais e bancos em Pernambuco agora virou lei. O projeto foi apresentado pelo deputado Isaltino Nascimento, teve aprovação na Assembleia Legislativa de Pernambuco e serve para os futuros estabelecimentos em que há facilitação de público. A água captada e reaproveitada não sofrerá cobrança de taxa ou tarifa por parte da concessionária de fornecimento de recursos hídricos e de esgoto.

A Lei nº 16.584/19 estabelece normas para o uso racional e reaproveitamento das águas nas edificações do Estado de Pernambuco. “A ideia é coletar e reaproveitar a água do sistema de climatização das novas edificações. Os estabelecimentos devem projetar os sistemas hidráulico e sanitário e isso deverá combater o desperdício e o uso excessivo de água”, justifica Isaltino, autor da lei.

Para o professor de refrigeração e ar-condicionado do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), Luis Lavor a medida é muito importante. “Valoriza o meio ambiente, ajuda nas crises hídricas, evita o desperdício e gera economia para as empresas”, explica o professor. Ele dá exemplo de empresas que já fazem isso, como o shopping Riomar e a Ferreira Costa que reutilizam a água do ar-condicionado nas suas torres de esfriamento do próprio equipamento, evitando desperdício. O professor também cita o caso da empresa Natura que usa a água nas descargas sanitárias. Há estudo que afirma que um ar-condicionado pode produzir até 20 litros de água por dia pingando.

Bacias sanitária de volume reduzido de descarga, chuveiros e lavatórios, torneiras com arejadores, registros controladores de vazão são alguns recursos que deverão ser utilizados nos novos prédios. Já em ambientes coletivos será obrigada a utilização de aparelhos que evitem o desperdício.

Nas edificações privadas acessíveis ao público e que são climatizadas a água condensada pelo sistema de ar-condicionado deverá ser captada e encaminhada para cisternas, caixas d´águas ou veículos apropriados. A água coletada poderá ser armazenada nos mesmos recipientes que armazenam a agua da chuva, por exemplo. E pode ser utilizada em atividades que não necessitem de água potável.

Vale salientar que essa lei não se aplica a microempresas e empresas de pequeno porte.